segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Sugestões para "hora do conto"


Pinóquio

Certa vez um velho carpinteiro chamado Gepeto fez um boneco de madeira.
Deu-lhe o nome de Pinóquio. De repente aparece a fada madrinha de Pinóquio e o transforma em um menino de verdade, o boneco criou vida.
Gepeto ficou muito feliz, agora tinha um filho. 
Gepeto queria fazer de Pinóquio um menino educado.
Colocou-o na escola. 
Mas Pinóquio fugiu e foi divertir-se no teatro de bonecos.
O dono do teatro queria ficar com Pinóquio. Mas ele chorou tanto que o homem deu-lhe umas moedas e o deixou partir.
Na volta para casa encontrou dois ladrões. 
Apesar dos conselhos do grilo falante, eleito sua consciência pela fada madrinha, seguiu com eles e foi roubado.
Pinóquio,  triste, resolveu voltar para casa e obedecer Gepeto.
No caminho, um passarinho avisou que Gepeto foi procurá-lo no mar.
Ele ia ao encontro de Gepeto, quando viu umas crianças que se dirigiam ao país da alegria. Pinóquio foi com eles.
Estava brincando quando percebeu que estava se transformando em um burro. 
E o nariz de Pinóquio começou a crescer...crescer....e...crescer!
Chorou arrependido. Uma fada apareceu e desfez o encanto.
Mas avisou: 
- Toda a vez que mentir, seu nariz vai crescer.
Pinóquio então foi ao encontro de Gepeto. 
Chegando no mar, Pinóquio e o Grilo foram procurar Gepeto.
Apareceu uma baleia e os engoliu.
Lá dentro encontraram Gepeto.  
Quando a baleia abriu a boca de novo, eles fugiram. 
Chegando em casa, a fada recompensou a coragem de Pinóquio, transformando-o num menino de verdade.
Pinóquio e Gepeto foram muito felizes.

Pixote vivia num lago sempre muito infeliz.
Ele não gostava do lago. Lá era tudo muito escuro, escuro que nem breu, e Pixote morria de medo do escuro.
Toda hora ele ia até a margem do lago. Botava a cabeça pra fora e achava tudo lindo.
Céu azul, grama, sol. Flores para todo lado. criança, gato, cachorro, e era tão colorido, tão alegre, tão claro!
Pixote queria morar na grama entre as árvores. Ele ficava um tempo na margem do lago, mas tinha de voltar pra água para respirar. Para não morrer.
Pixote começava a nadar de novo, no meio do lago. Era uma escuridão sem fim, uma feiúra sem fim, uma tristeza sem fim.
E a vida de Pixote era assim. Da água para margem e da margem para a água. Sempre sozinho, cheio de medo, infeliz da vida.
Um dia, Pixote estava nadando e olhando os outros peixes.
Eles brincavam, contentes nas águas claras do lago. De repente, Pixote pensou:
- Ué! Outros peixes? Águas claras? O que aconteceu?
- Será que vim parar em outro lago sem saber? perguntava Pixote.
E olhava para todo lado e via um monte de coisas novas, via pedras de todos os tamanhos, de todas as cores.
E plantas aquáticas, sapos, rãs.
Até sapatos velhos e brinquedos de crianças tinha lá!
E era tudo tão lindo! A água meio azulada, cheia de claros e escuros, cheia de brilhos. Uma beleza mesmo.
Pixote olhava e ria. Cadê a escuridão? Cadê o medo? Pixote estava era contente, feliz da vida.
De repente Pixote descobriu que tinha acontecido, e começou a rir.
- Eu sou mesmo um pateta! Ficava nadando pra lá e pra cá, morrendo de medo do escuro...

- Lógico! eu só nadava de olhos fechados!
O Peixinho Arco-Íris
(as suas escamas brilhantes saem)

...Era uma vez um peixinho que morava no oceano e era tão colorido e brilhante que lhe deram o nome de Arco-Íris. Um dia o peixinho azul veio nadar com ele, disse-lhe que o achava lindo e pediu-lhe um das suas escamas tão brilhantes. Mas este era tão vaidosos e invejoso que não lhe deu nenhuma. A partir daí nenhum peixe voltou a nadar e a olhar para ele. Ficou sózinho.
De que servia ser o peixe mais bonito do oceano, se ninguém olhava para ele. Foi pedir ajuda à estrela do mar que lhe disse para ir falar com o polvo da gruta...
....Octopus, aconselhou o Peixinho Arco-Íris a partilhar as suas escamas com os outros peixes, afinal ele tinha tantas... 
...E foi isso mesmo que o Peixinho Arco-Íris fez, chamou os outros peixinhos e deu a cada um, uma das suas escamas. E assim passou a ser um peixinho feliz, bonito e com muitos amigos no fundo do mar.


Sugestão para as histórias Peixe Pixote e Pinóquio:
( fantoche de peixe/ baleia)



segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Luvas para cantar com as crianças: "Os 10 indiozinhos" e "elefante na teia de aranha".



Os Indiozinhos


1,2,3 indiozinhos
4,5,6 indiozinhos
7,8,9 indiozinhos
10 um pequeno bote


Iam navegando pelo rio abaixo
Quando o jacaré se aproximou
E o pequeno bote dos indiozinhos
Quase vazio virou


1,2,3 indiozinhos
4,5,6 indiozinhos
7,8,9 indiozinhos
10 um pequeno bote


Iam navegando pelo rio abaixo
Quando o jacaré se aproximou
E o pequeno bote dos indiozinhos
Quase vazio virou
Quase vazio virou
Quase vazio virou
Mas não virou 


O Elefante na Teia de Aranha

Um elefante 
Se pendurou 
Numa teia de aranha 
Mas quando viu 
Que a teia resistiu 
Foi chamar outro elefante... 

(Repetir a letra com dois elefantes, depois com três, sucessivamente, até alcançar o número de crianças da classe.) 

domingo, 18 de dezembro de 2011

Sugestões: "A galinha do vizinho", "Na loja do mestre André" , " Perdi o Dó da minha viola "e "O Rei mandou".


A galinha do vizinho

A Galinha do Vizinho
Bota Ovo Amarelinho
Bota 1, bota 2, bota 3,
Bota 4, Bota 5, Bota 6,
Bota 7, Bota 8, Bota 9,
Bota 10!!!!!!

( Os ovinhos são retirados e colocados conforme pede a canção...têm velcros) . 

NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ

FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ
QUE EU COMREI MEU VIOLÃO
DÃO DÃO DÃO MEU VIOLÃO!
AI OLÉ! OI OLÉ!
FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ.

FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRE
QUE EU COMPREI MINHA CORNETA
TÁ TÁ TA´ MINHA CORNETA
DÃO DÃO DÃO MEU VIOLÃO!
AI OLÉ! OI OLÉ!
FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ.

FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ
QUE EU COMPREI MEU PIANINHO
PLIM PLIM  MEU PIANINHO
TÁ TÁ TÁ MINHA CORNETA
DÃO DÃO DÃO MEU VIOLÃO
AI OLÉ! OI OLE!
FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ

FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ
QUE EU COMPREI  MEU TAMBORZINHO
BUM BUM BUM MEU TAMBORZINHO
PLIM PLIM PLIM MEU PIANINHO
TÁS TÁ TA´MINHA CORNETA
DÃO DÃO DÃO  MEU VIOLÃO
AI OLÉ! OI OLÉ!
FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ.

FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ
QUE EU COMPREI MINHA FLAUTINHA
FLA FLA FLA MINHA FLAUTINHA
BUM BUM BUM MEU TAMBORZINHO
PLIM PLIM PLIM MEU PIANINHO
TA TA TA MINHA CORNETA
DÃO DÃO DÃO MEU VIOLÃO
AI OLÉ! OI OLÉ!
 FOI NA LOJA DO MESTRE ANDRÉ

 ( usar o fantoche  e retirar do bolso na roupa do fantoche os cartões  com desenhos)


PERDI O DÓ DA MINHA VIOLA...

DO
Eu perdi o DO da minha viola
Da minha viola eu perdi o DO
DORMIR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE
Eu perdi o RE da minha viola
Da minha viola eu perdi o RE
REMAR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE, MI
Eu perdi o MI da minha viola
Da minha viola eu perdi o MI
MIAR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE, MI, FA
Eu perdi o FA da minha viola
Da minha viola eu perdi o FA
FALAR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE, MI, FA, SOL
Eu perdi o SOL da minha viola
Da minha viola eu perdi o SOL
SONHAR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE, MI, FA, SOL, LA
Eu perdi o LA da minha viola
Da minha viola eu perdi o LA
LAVAR é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom!
DO, RE, MI, FA, SOL, LA, SI
Eu perdi o SI da minha viola
Da minha viola eu perdi o SI
SILÊNCIO é muito bom, é muito bom – bis
É bom camarada, é bom camarada
É bom, é bom, é bom bis
É bom! Cccchhhhiiiiiuuuu



O Rei  mandou
Vc diz o Rei   mandou...as crianças respondem : fazer o que?? Aí vc fala:  rolar no chão.....abraçar o amigo, dar risada, bater palma, gritar, pular de uma perna só, imitar um cachorro...etc....

( usar o fantoche e retirar do bolso da roupa do fantoche o cartão com a ordem )

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Sugestões:"Seu Lobato" e "Meu galo quebrou o bico"

SEU LOBATO

SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA IA Ô
E NO SEU SÍTIO TINHA UM CACHORRINHO
IA IA Ô
ERA AU AU AU AU  PRA CÁ
ERA AU AU AU AU PRA LÁ
ERA AU AU AU AU PRA TODO LADO IA IA  Ô

SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA IA Ô
E NO SEU  SITIO TINHA UMA  VAQUINHA
IA IA Ô
ERA  MU MU MU PRA CÁ
ERA MU MU MU PRA LÁ
ERA MU MU MU PRA TODO LADO IA IA Ô.

SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA IA Ô
E NO SEU SÍTIO TINHA UM GATINHO
IA IA Ô
ERA  MIAU MIAU MIAU PRA CÁ
ERA MIAU MIAU MIAU PRA LÁ
ERA MIAU MIAU MIAU  PRA TODO LADO
IA IA Ô

SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA IA Ô
E NESSE  SÍTIO TINHA UM PINTINHO
IA IA Ô
ERA PIU PIU PIU PRA CÁ
ERA PIU PIU PIU PRA LÁ
ERA PIU PIU PIU PRA TODO LADO
IA IA Ô.
( outros bichinhos: patinho, cabritinho, porquinho, cavalinho, ovelinha.....)

Fantoches "Seu Lobato"  e os bichinhos : os bichinhos são guardados no bolso da roupa ( macacão) do Seu Lobato e colocados na luva com velcro nos dedos ( para colocar na nossa mão quando cantamos com os alunos)  quando os bichinhos são retirados do bolso.
Luva " Seu Lobato" 


MEU GALO 

MEU GALO QUEBROU O BICO
MEU GALO NÃO PODE BICAR
MEU GALO QUEBROU O BICO
QUEBROU O BICO E NÃO PODE BICAR.

MEU GALO FUROU O OLHO
MEU GALO NÃO PODE OLHAR
MEU GALO FUROU O OLHO
QUEBROU O BICO E NÃO
PODE BICAR.


MEU GALO FUROU O OUTRO OLHO
MEU GALO NÃO PODE OLHAR
MEU GALO FUROU UM OLHO
FUROU O OUTRO OLHO
QUEBROU O BICO E NÃO
PODE BICAR.

MEU GALO QUEBROU UMA ASA.
MEU GALO NÃO PODE VOAR
MEU GALO QUEBROU UMA ASA,
FUROU UM OLHO,
FUROU O OUTRO OLHO,
QUEBROU O BICO E NÃO PODE BICAR.

( MEU GALO QUEBROU A OUTRA ASA...
MEU GALO QUEBROU UMA PERNA...
MEU GALO QUEBROU A OUTRA PERNA...)



Quando cantamos com os alunos, as partes do corpo do galinho são retiradas e colocadas nos dedos da luva.

Sugestão para conto: " Os sapatinhos da centopéia"

A CENTOPÉIA E SEUS SAPATINHOS


NAQUELA MANHÃM, A CENTOPÉIA ACORDOU MAIS CEDO
ERA DIA DE COMPRAR  SAPATOS.
LEVANTOU, ARRUMOU  A SUA CAMINHA E FOI PARA A SALA TOMAR CAFÉ.
DONA CENTOPÉIA PEGOU O SEU CHAPÉU E SUA  SOMBRINHA, PORQUE ESTAVA UM SOL MUITO FORTE, E SAIU.
QUANDO CHEGOU À LOJA, A JOANINHA VEIO ATENDÊ-LA:
-         BOM DIA, DONA CENTOPÉIA!
A CENTOPÉIA FOI OLHAR OS SAPATOS QUE ESTAVAM NA VITRINA.
A CENTOPÉIA PEDIU UM SAPATO VERMELHO, MUITO BONITINHO.
A JOANINHA SUBIU E DESCEU A ESCADA, SUBIU E DESCEU , SUBIU E DESCEU VARIAS VEZES PARA TRAZER OS PARES DE SAPATOS.
A JOANINHA COLOCOU TODOS OS PARES NA CENTOPÉIA E ELA ANDOU UM POUCO PARA VER SE ELES NÃO APERTAVAM OS SEUS PEZINHOS.
-         DONA JOANINHA, ESTÃO MUITO APERTADOS! NÃO TEM UM NÚMERO MAIOR? – PEDIU A CENTOPÉIA.
E A JOANINHA SUBIU E DESCEU NOVAMENTE A ESCADA, SUBIU E DESCEU, SUBIU E DESCEU DIVERSAS VEZES PARA BUSCAR OS SAPATOS MAIORES.
QUANDO ACABOU DE COLOCAR OS SAPATOS NOS PÉS DA CENTOPÉIA, A JOANINHA NÃO TINHA MAIS FORÇA PARA LEVANTAR.
DONA CENTOPÉIA, ENTÃO, ABRIU A SUA BOLSINHA, PEGOU  OS SAPATOS E DISSE  PARA A JOANINHA:
     - VOCÊ, HOJE, ESTÁ MUITO CANSADA. AMANHÃ, EU VOLTO PARA COMPRAR OS SAPATOS.
E A JOANINHA DESMAIOU.


     Do livro As Centopéia e seus sapatinhos de Milton Camargo – Editora Ática


Sugestão:  "Centopéia e o caderno" que  os alunos levaram para casa e registraram  com os pais como confeccionaram um sapatinho para a amiga Centopéia .

Centopéia com os sapatinhos feitos pelos alunos  (  e com os pais dos alunos) .


Tapete: A Centopeia e Seus Sapatinhos

Tapete: As Centopeias e Seus Sapatinhos

domingo, 11 de dezembro de 2011

Sugestão de conto: "A galinha choca"

A GALINHA CHOCA

A GALINHA PEDIU AOS VIZINHOS PARA VIGIAREM SEU NINHO. PEDIU A PATA QUE MORAVA DE UM LADO. PEDIU AO JABUTI QUE MORA DO OUTRO. PEDIU A POMBA QUE MORA EM CIMA. PEDIU AO COELHO QUE MORA EM BAIXO. E LÁ SE FOI A GALINHA CATAR MINHOCAS PARA O JANTAR. A GALINHA VOLTOU E CONTOU OS OVOS. CONTOU UMA, DUAS, TRÊS VEZES. E FICOU FURIOSA.. .ELA GRITAVA:- O QUE ACONTECEU ?AQUI TEM UM OVO QUE NÃO É MEU! QUEM VIU?QUEM VIU O QUE ACONTECEU? MAS NINGUÉM VIU. A POMBA LÁ EM CIMA, COCHILAVA. A PATA, DE UM LADO, SE DISTRAÍA. O JABUTI, DO OUTRO, RONCAVA. E O COELHO, SUMIU. A GALINHA SENTOU NO NINHO. –VOU CHOCAR ESSE OVO TAMBÉM- ELA FALOU. MAS SEMPRE DESCONFIADA, OLHAVA PARA CIMA E PARA BAIXO, OLHAVA PARA UM LADO E PARA O OUTRO. “QUEM SERÁ QUE BOTOU MAIS UM OVO NO MEU NINHO?” , PENSAVA A GALINHA.
-CRAC! CRAC! CRAC!- OUVIU A GALINHA.
-CRAC! CRAC! CRAC!- OUVIRAM TODOS OS VIZINHOS.
DE CADA OVO SAIU UM PINTINHO.
E DAQUELE OUTRO...SAIU UM PATINHO!



Para montar a Galinha choca :

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

História: Meus lápis de cor são só meus

MEUS LÁPIS DE COR SÃO SÓ MEUS


A Lulu estava muito contente naquele dia.
É que era o dia do aniversário dela.
Quando ela chegou da escola já encontrou a mamãe preparando a festa.

O bolo já estava pronto, os brigadeiros, as balas e os pirulitos.
O papai estava enchendo as bolas e a tia Mari estava botando a mesa na sala.
Todos almoçaram na cozinha para não atrapalhar as arrumações.

Então Lulu tomou banho e vestiu sua roupa nova, que a mamãe tinha comprado para ela. E se arrumou toda e a mamãe botou nela um pouquinho de água de colônia.

O primeiro convidado que chegou foi o priminho da Lulu, o Miguel.
Depois chegou a Taís, o Arthur e o Caiã e todos os colegas do colégio.

E ficaram todos brincando no jardim.

Aí todos entraram para abrir os presentes.

Depois foram soprar as velinhas e cantar parabéns.

Lulu gostou de todos os presentes, mas o que ela mais gostou foi da caixa grande de lápis de cor que se abria feito uma sanfona e que tinha todas, mas todas as cores, mesmo.

Depois que todos foram embora a Lulu foi dormir e ela até botou a caixa de lápis de cor do lado da caminha dela.

Então, logo de manhã, a Lulu já se sentou na mesa da sala, pegou o bloco grande de desenho e começou a fazer um desenho bem bonito, com seus novos lápis. Aí chegou o Miguel, que veio passar o dia com ela.

Ele se sentou junto da Lulu e disse que também queria desenhar.
Mas Lulu não quis nem por nada emprestar os lápis a ele.
- Os meus lápis de cor são só meus! – ela disse.

A mãe de Lulu ficou zangada:
- Que é isso, minha filha? Os dois podem desenhar muito bem. Empreste os lápis para o seu primo!
Mas o Miguel já estava enjoado dessa conversa, e foi para fora andar de bicicleta.

A Lulu desenhou casinhas e desenhou bonecas e desenhou um pato e um elefante. E pintou todos os desenhos com seus lápis novos e mostrou para a mamãe. Mamãe disse que estavam todos ótimos, mas que ela guardasse os desenhos e os lápis que ela precisava preparar a mesa para o almoço.

A Lulu juntou todos os lápis, mas, em vez de guardar na caixa, que é o melhor jeito para se guardar lápis, ela botou os lápis em cima do bloco e foi para o quarto, equilibrando tudo.

Ela foi subindo as escadas, subindo as escadas, até que já estava chegando lá em cima, quando ela perdeu o equilíbrio e deixou os lápis caírem todos escada abaixo. Os lápis rolaram pela escada e foram batendo, batendo, batendo nos degraus.

A Lulu desceu as escadas e viu que todas as pontas dos lápis estavam quebradas. Então ela começou a chorar, que os lápis estavam estragados e que nunca mais ela ia poder desenhar. O Miguel, que estava brincando lá fora, veio correndo apara ver o que tinha acontecido.

Então ele disse à Lulu:
- Não chore não, Lulu, eu vou buscar meu apontador lá em casa e eu aponto todos os seus lápis. E ele foi e logo ele chegou com o apontador.

O Miguel apontou todos os lápis da Lulu.
Então a Lulu convidou:
- Miguel, você não quer desenhar comigo?

E o Miguel veio e eles fizeram uma porção de desenhos, e o Miguel ensinou a Lulu a fazer um automóvel e a Lulu ensinou o Miguel a fazer um elefante. Aí o Miguel ensinou a Lulu a fazer um foguete que voava direitinho. E a Lulu ensinou o Miguel a recostar umas bonecas engraçadas.

E a Lulu se divertiu muito mais do que quando ela ficava desenhando sozinha...

Autora: Ruth Rocha


Sugestão para a hora do conto: "Ana coração"

 História Ana coração


Hoje eu trouxe uma amiguinha comigo. Vocês querem conhecê-la? Seu nome é Ana. Vocês já pensaram no que a gente desobedecesse ou mentisse a língua crescesse? Vamos imaginar que Ana tem uma língua muito comprida.

Logo que Ana levantou, a sua mãe pediu que ela guardasse os seus brinquedos. Sabem o que ela respondeu? Ahhhhhhhh! Eu não vou guardar agora, eu tenho que brincar lá fora. Ela saiu batendo a porta. Ela desobedeceu a sua mãe. Sua língua cresceu um pouco.

No mesmo dia, quando estava na escola a professora perguntou quem estava conversando, ela mentiu, dizendo que era a sua coleguinha que estava puxando assunto. Sua língua cresceu mais um pouco.

Na hora do recreio as meninas estavam jogando queimada e como ela não foi escolhida, ficou com raiva e falou um nome feio. A sua língua cresceu mais um pouco.

Há um versículo na Bíblia que diz: "O homem vê o exterior, porém o Senhor conhece o coração". (1 Samule 16.7). Deus estava vendo o coração de ana. Que vocês acham que Deus via?

Um dia Beto convidou Ana para assistir uma classe Bíblica. Ela não queria ir, mas a sua mãe insistiu tanto que Ana acabou indo. Lá na classe bíblica, Ana estava inquieta... puxava a saia da menina da frente, jogava papelzinho nos meninos... Mas a professora estava contando uma estória de uma menina parecida com ela. Será que ela estava falando dela? Mas a menina tinha outro nome. E a menina da estória havia mudado de vida. Por que será? Ana começou a prestar atenção na estória para saber a razão da mudança da menina. Sabem por que ela mudou? É por que ela reconheceu que era pecadora, que fazia uma porção de coisas erradas. Mas o Senhor Jesus Cristo morreu na cruz por ela e ela creu pedindo que Jesus fosse o seu Salvador.

A professora da classe perguntou se alguém queria aceitar o Senhor Jesus como o seu Salvador e permitir que Ele mudasse a sua vida. Ana mais que depressa levantou a mão. A professora ajudou-a a orar. Deus que sempre vê o coração, viu que agora o coração de Ana estava completamente mudado. Em vez de ser mentiroso, agora era manso e humilde.

Em Jeremias 29.13 diz: "E buscar-me-eis e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração". O sangue de Jesus Cristo limpou todos os pecados de Ana.

No dia seguinte a mãe de Ana pediu pra ela não sair sem escovar os dentes. Ela respondeu: - Eu já vou mamãe. Da sua língua não saiu mais palavrão, ela não estava mais suja! Agora o coração de Ana era um coração alegre.

Ana lia a Bíblia todos os dias. Os seus olhos estavam bem abertos para entender a Palavra de Deus.

Ela também orava todos os dias. Como é bom conversar com Deus.

Na escola quando a professora chamou-lhe a atenção, ela disse: "Desculpa, tia Vânia, eu vou procurar não conversar mais durante a aula".  Agora da sua boca não saíam respostas duras, nem palavrões , mas saíam corações. Na hora do recreio Ana ficou contente por que ela ajudou sua amiguinha que caiu e se machucou. Não demorou muito, as pessoas começaram a observar que Ana havia mudado. Agora ela tinha um coração bondoso. Da sua boca só saiam palavras amáveis.

Salmo 119. 11: " Guardo no coração as Tuas Palavras, para eu não pecar contra ti."

Por que será que Ana mudou tanto? Ana mudou por que jesus veio morar no seu coração. Só Jesus pode transformar as nossas vidas!



 Na língua da boneca esta colado  as palavras: Desculpa! Por favor! Obrigado! Com licença!  Boa tarde! Bom dia!

SugestãoColar  em cartolina ou papelão o rostinho do boneco,para fazer menina é só desenhar os cabelos  com rabicó. Desenhar a língua e escrever as palavrinhas mágicas: obrigado, por favor, desculpa, com licença, boa tarde, bom dia....



segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Sugestão de história para "hora do conto"- A ovelhinha perdida - Maria vai com as outras










Maria vai com as outras

Era uma vez uma ovelha chamada Maria. Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também. As ovelhas iam para baixo Maria ia também. As ovelhas iam para cima, Maria ia também.
Um dia, todas as ovelhas foram para o Pólo Sul. Maria foi também. E atchim! Maria ia sempre com as outras.
Depois todas as ovelhas foram para o deserto. Maria foi também.
- Ai que lugar quente! As ovelhas tiveram insolação. Maria teve insolação também. Uf! Uf! Puf!
Maria ia sempre com as outras.
Um dia, todas as ovelhas resolveram comer salada de jiló.
Maria detestava jiló. Mas, como todas as ovelhas comiam jiló, Maria comia também. Que horror!
Foi quando de repente, Maria pensou:
“Se eu não gosto de jiló, por que é que eu tenho que comer salada de jiló?”
Maria pensou, suspirou, mas continuou fazendo o que as outras faziam.
Até que as ovelhas resolveram pular do alto do Corcovado pra dentro da lagoa. Todas as ovelhas pularam.
Pulava uma ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, quebrava o pé e chorava: mé! Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra e chorava: mé!

E assim quarenta duas ovelhas pularam, quebraram o pé, chorando mé, mé, mé! Chegou a vez de Maria pular. Ela deu uma requebrada, entrou num restaurante comeu, uma feijoada.
Agora, mé, Maria vai para onde caminha seu pé.

Sylvia Orlof






A ovelhinha perdida

Certa vez Jesus estava ensinando. Muitos cobradores de impostos que eram odiados pelo povo e pessoas que tinham fama de serem más estavam escutando. Os fariseus que eram os homens que não gostavam de Jesus e que entendiam muito da Lei começaram a criticar Jesus e a dizer: - “Este homem se mistura com gente de má fama e come com eles!” Jesus então contou-lhes uma parábola.

“Um homem tinha cem ovelhas.
E uma delas se perdeu, o que ele fez?
Deixou as noventa e nove pastando no campo e foi procurar a ovelha perdida até achá-la.
Quando a encontrou ficou muito contente, pegou-a e voltou com ela carregada nos ombros.
Chegando em casa, chamou os amigos e vizinhos e disse: “Alegrem-se comigo porque achei a minha ovelha perdida!” Jesus então lhes disse: “ Do mesmo jeito haverá maior alegria no céu por uma pessoa de má fama e pecadora que se arrepende do que 99 pessoas justas e boazinhas que não precisam se arrepender.


 

Professora Geórgia Template by Ipietoon Cute Blog Design